Inexperiência no cuidados com animais pode gerar maus-tratos

Igor Juan

22 de abril de 2021
Atualização:22 abr 2021 às 16:39

No ano passado, durante a pandemia de Covid-19, a Secretaria de Meio-Ambiente de Sorocaba registrou mais de mil casos de maus-tratos em animais domésticos. A maioria das causas é de envenenamento, agressões e fechamento em locais impróprios.

Apesar desses casos serem encarados como ”crueldade”, para muitas pessoas, há vezes em que esses maus-tratos ”não são por querer”, e acontecem sem que o dono perceba que está maltratando o seu pet. Sabendo disso, a Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade contra Animais (ASPCA) criou uma campanha para conscientizar esses cuidadores sobre a necessidade de tratar bem o seu bichinho.

O maior descuido que pode-se ter é deixar de dar banho e tosar os animais de estimação. O acúmulo de pelo pode causar vários problemas de Saúde nos animais, fazendo com que eles sejam mais suscetíveis à infecções. Aparar as unhas também é essencial, pois isso interfere na coluna e na locomoção do seu pet.

“O que falta para algumas pessoas é ter a empatia para enxergar o animal como um ser vivo que tem as mesmas necessidades dos humanos”, acredita Vanderlei Martinez, presidente da SPASO, uma das principais ONGs de proteção animal de Sorocaba:

“Muita gente adota, ou até compra um pet, mas esquece que ele tem personalidade e que, muitas vezes, irá contrariar o tutor. Algumas pessoas não entendem que precisam de espaço físico, tempo disponível e recurso financeiro para cuidar de um animal”.

Para evitar que isso aconteça, é necessário sempre levar seu bichinho para um tosador. Lá, ele receberá todos os cuidados necessários e ele irá dar orientações sobre como cuidar dele. Em casos mais graves, é necessário buscar ajuda de um veterinário.

“Nós precisamos fazer a nossa parte, cuidar dos animais com compaixão. Não adianta nada ficar indignado, divulgar nas redes sociais reclamando da situação” acredita Natália. “Nós podemos orientar corretamente o tutor, oferecer um serviço de qualidade ao animal e, sempre que possível, conscientizar sobre os maus-tratos. Se não for feito nada, então devemos denunciar aos órgãos competentes”, ressalta.