Lula pode ser preso novamente no final de 2021

Redação Folha de S.Roque

2 de setembro de 2021
Atualização:03 set 2021 às 0:45

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pode voltar a ser preso em situação relacionado a sua prisão em 2018. A Procuradoria da República do Distrito Federal ratificou à Justiça as denúncias feitas pela força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba no Estado do Paraná contra o ex-presidente do Brasil sobre a compra do terreno para a construção do Instituto Lula e de um apartamento.

As acusações envolvem também o ex-ministro Antônio Palocci e o empresário Marcelo Odebrecht, que teria custeado os bens. No ofício, o procurador do MPF-DF, Frederico Paiva, diz que qualquer procurador poderia subscrever novamente a denúncia, em razão do “extenso lastro probatório”, e que não há nulidade na ação. A denúncia será novamente analisada pela Justiça e com isso Lula pode voltar a ser julgado e preso.

Lula Ficou 1 ano e 7 meses preso (580 dias)  na carceragem da Polícia Federal em Curitiba e solto no dia 8 de novembro de 2019, um dia após o Supremo Tribunal Federal ter considerado a prisão em segunda instância inconstitucional. O ex-presidente que busca disputar as eleições de 2022 foi preso e condenado a 8 anos, 10 meses e 20 dias de prisão devido ao processo da Operação Lava Jato referente ao tríplex do Guarujá, litoral de São Paulo.
Lula foi o primeiro ex-presidente do Brasil a ser preso por causa de uma condenação por crime comum. Antes dele, outros seis ex-presidentes do país foram presos, mas todos por motivos políticos.

Lula e Bolsonaro preso

O presidente Jair Bolsonaro poderá ser preso? Sim. Mas, calma. Ainda não será agora. Enquanto ele estiver no cargo de presidente da República, ele não pode ser preso. Ele pode ser processado quando o STF pede, a Câmara autoriza e o Senado julga, mas isso acontece no caso de crimes de responsabilidade, cuja pena é o impeachment. Quanto aos crimes que lhe são atribuídos por omissões e negligências na CPI da Covid, por exemplo, Bolsonaro não poderá ser condenado agora e ser encarcerado durante o mandato. Ele pode ser preso quando perder a imunidade do cargo, o que poderá ocorrer após o final da gestão, em dezembro de 2022 (Se não for reeleito)

Inclusive Lula tem usado as redes sociais para falar sobre o “medo” que Bolsonaro está de ser preso. Na manhã de sábado  7 de agosto Lula tacou Jair Bolsonaro, o chamando de genocida, patético e incompetente. Citando diretamente os ataques ao sistema eleitoral e a defesa do voto impresso, Lula disse que não acredita em golpe de Bolsonaro e que ele sabe que vai perder e tem medo de ser preso.

“O grande golpe que ele deu já foram as eleições de 2018. Mentiu a campanha toda, não participou de nenhum debate e foi eleito”, atacou o ex-presidente. “Temos um presidente 100% irresponsável e 100% mentiroso. Um homem que sente prazer em contar mentira, em tentar enganar o povo. Ele acha que o povo é tonto, que não tem consciência”, completou Lula.

Para o petista, Bolsonaro “transformou em adversário todo mundo que seguia a ciência” e seu comportamento é responsável por boa parte das quase 600 mil mortes provocadas pela Covid-19 no País. Lula usou o termo ‘genocida’ para se referir ao presidente.

“Você não faz aliança só com quem você gosta. O Bolsonaro era tão ignorante que achava que não precisava do Congresso, que ia fazer tudo sozinho com os filhos. Aí ele chegou a conclusão de que é um incompetente politicamente. Não gosta de democracia. Um patético governando o país.”

Lula disse ainda que “parte do que está acontecendo hoje tem a ver com o comportamento que a imprensa teve comigo, negando a política” e completou afirmando que se preparou na prisão para enfrentar aquele momento.

Com otimismo, o ex-presidente disse que o Brasil é um país extraordinário, com um povo extraordinário e alegre, e tem um potencial para ser muito melhor. Lula disse que “luta para reconstruir nossa democracia” e relembra que, em seu governo, o País tinha a sexta maior economia do mundo.

Prisão de Lula e Bolsonaro facilita vida de João Doria para eleições 2022

No meio de toda essa situação a eventual volta de Lula para prisão e a baixa popularidade de Bolsonaro pelo Brasil, abre 0 vantagens eleitoral para o Governador do Estado de São Paulo, João Doria que já comunicou que será candidato a presidente para o pleito de 2022 e tem Lula e Bolsonaro como adversários de peso.