Mulher é morta em Carapicuíba por deve R$ 5 mil para agiotas

Igor Juan

16 de agosto de 2021
Atualização:25 ago 2021 às 21:51

Uma corretora de imóveis de 45 anos, identificada como Regiane Vieira foi executada a tiros, por agiotas, em um bar em Carapicuíba na grande São Paulo. Ela chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

Segundo a Polícia Militar, a vítima teria sido convidada, supostamente pelos próprios assassinos indos (agiotas),  para uma festa, e chegando no local, foi morta pelos criminosos. A motivação do crime foi descoberta pouco tempo depois, em que Regiane estava devendo o valor de R$ 5 mil para os suspeitos.

Aliás, há suspeitas de que o crime havia sido premeditado, pois na véspera da tragédia, Regiane teria revelado para uma amiga que estava sendo alvo da quadrilha, e que eles estavam planejando matá-la, por não pagar o valor da dívida.

Familiares contam que Regiane estava desesperada para arrumar um dinheiro, e por isso recorreu ao serviço de agiotagem, para conseguir sustentar a família.

Pratica de agiota é crime no Brasil

Ficar sem dinheiro é algo desesperador, e acumular dívidas por conta do desemprego é algo ainda pior, e sem pensar em uma ideia melhor de como superar esse problema, as pessoas recorrem a serviços de agiotagem.

O que muitos não sabem é que é crime contratar serviços de agiotas, porque eles emprestam dinheiro fora do valor de mercado, e atuam de forma criminosa, podendo inclusive matar pessoas que acabam devendo a eles. Inclusive, o dinheiro oferecido é fruto de outros crimes, como roubo e lavagem, por exemplo.

O ideal é, quando chegar a este ponto, procurar renegociar as dívidas com os bancos ou com os credores e jamais aceitar dinheiro vindo de estranhos e de outros locais de pouca credibilidade, que não sejam as agências financeiras.