Preconceito: Entenda suas origens e como evitar nos dias atuais

Igor Juan

28 de maio de 2021
Atualização:28 maio 2021 às 10:01

O ser humano é um ser imperfeito. Raça, cor, sexualidade, religião, política, futebol, ou partes do corpo, sempre achamos algum motivo para fazer julgamentos, e é dessa análise abusiva que surge o preconceito. Mas, por que isso acontece? De onde vem essa ”necessidade” de julgar as outras pessoas?

A resposta para isso é bem simples. Como nós somos os únicos seres vivos a ”pensar” e ”avaliar” nossas ações, é natural que o ser humano faça julgamentos prévios de uma pessoa, sem sequer conhecê-la de fato. Muitas vezes porque tenhamos medo de conhecer alguém diferente, originando assim o preconceito.

A Psicologia chama esse medo de ”viés inconsciente”. Inclusive, muitas empresas estão criando programas para que os funcionários possam inibir as ações do viés inconsciente, tornando-as mais abertas às novas possibilidades, permitindo a inclusão social dentro do ambiente de trabalho, evitando o preconceito.

Como o preconceito surge?

O viés inconsciente é formado com base em tudo o que aprendemos em casa, na escola, no trabalho, e ouvimos nos Veículos de Imprensa, ou de pessoas famosas e entes queridos. Com essa base, definimos tudo aquilo que é ”certo” e tudo aquilo que é ”errado”.

Pegando um exemplo prático: Quando pegamos nossos pais, avôs, tios, professores, padres/pastores, pessoas famosas, ou meios de Comunicação dizendo que ”o papel da Mulher é ser submissa ao Homem e que ela não deve ocupar o mesmo espaço que ele no Mercado de Trabalho”, nosso inconsciente determina isso como algo correto, e quando vemos uma mulher sendo independente, conseguindo o mesmo sucesso profissional que os homens, inclusive sendo chefes de família, nosso inconsciente alerta que tal comportamento é errado, e tentamos de todas as formas justificar esse erro, inclusive usando a força bruta para que tenhamos razão. Sendo assim, nos tornamos preconceituosos contra as mulheres, nos tornando machistas. 

Esse exemplo também vale para pessoas racistas, homofóbicas, transfóbicas e extremistas, que não admitem estarem errados sobre algo sobre suas convicções. Muitos psicólogos alertam que é difícil do ser humano abrir mão de suas convicções, mesmo sendo elas infundadas e maldosas.

O que fazer para combater?

Como o Preconceito é formado no nosso inconsciente, o primeiro passo é reconhecer que estamos errados sobre nossas convicções. Para isso, os psicólogos orientam os seguintes passos:

  • Saiba identificar o seu viés inconsciente- Faça uma autorreflexão sobre suas crenças, se elas são mesmo embasadas, ou se elas são fruto de uma opinião estereotipada, para não dizer maldosa, sobre algo ou alguém;
  • Seja sempre uma pessoa extrovertida- Saiba se relacionar com outras pessoas de forma aberta, gentil, afetuosa e tenha empatia pelo outro;
  • Seja flexível- Cuide para que sua mente fique sempre aberta, pois no Mundo, nada é uma verdade absoluta, nem aquilo que você acredita. Leia mais e procure se informar mais sobre o que acontece ao seu redor;
  • Esteja disposto a aceitar o diferente- Saiba conviver com outras pessoas e se relacionar com elas.