Sorocaba prosseguirá com vacinação de deficientes que recebem o BPC

Igor Juan

17 de maio de 2021
Atualização:17 maio 2021 às 10:02

Sorocaba dará continuidade à vacinação contra a Covid-19 para deficientes de 50 anos ou mais que recebem o BPC e pessoas com comorbidades de 50 anos ou mais, a partir desta terça e quarta-feira (19). Vale lembrar que é importante levar, nos ponto de imunização, laudos médicos e comprovantes do recebimento do BPC. 

Além disso, a cidade ainda começará o cadastro dos idosos de 60 anos ou mais, que ainda não receberam nenhuma dose da vacina contra a Covid, seja ela a Coronavac, ou a de Oxford. Para todos esses públicos, será aplicada as vacinas  da AstraZeneca e da Coronavac já entregou seu lote final em todo o Estado.

A Prefeitura estima vacinar 12 mil idosos que ainda não foram imunizados, nas seguintes unidades de UBS:  Escola, Wanel Ville, Éden, Barcelona, Maria do Carmo, Nova Sorocaba, Ulisses Guimarães, Sorocaba I, Aparecidinha e Laranjeiras, das 8h às 16h.

O site de cadastro para esse público pode ser feito, clicando neste link, do site da Prefeitura. Para as pessoas com comorbidades de 50 anos ou mais, é necessário levar um laudo médico, e para os deficientes de 50 anos ou mais, basta levar, além do laudo, o comprovante do recebimento do BPC.

Pessoas com comorbidade

A lista de pessoas que tem comorbidades incluem aqueles que sofrem de:

  • Doenças cardiovasculares;
  • Cardiopatias;
  • Hipertensão;
  • Pessoas com próteses cardíacas;
  • Diabetes mélitus;
  • Pneumonia crônica;
  • Doenças cerebrovasculares;
  • Doenças renais;
  • Pessoas transplantadas;
  • HIV;
  • Imunossuprimidos;
  • Câncer;
  • Anemia falciforme;
  • Obesidade Mórbida;
  • Cirrose.

Benefício de Prestação Continuada (BPC)

O Benefício de Prestação Continuada, BPC, é um benefício dado pelo Governo Federal para deficientes que vivem em situação de vulnerabilidade social. Ele é dado para pessoas cuja deficiência física/intelectual/motora impede que eles possam trabalhar, ou sustentar-se financeiramente.

Além de ter a deficiência comprovada por uma perícia médica, é necessário que ele esteja recebendo 1/4 do salário mínimo. A partir do momento em que o deficiente começar a trabalhar e caso ele consiga se autos sustentar, o benefício é cancelado.